31 de mai de 2010

“Estamos aqui para dançar”

Você sabe de onde veio o famoso Funk Carioca?

No palco, apenas um homem com microfone e outro com uma aparelhagem que reproduz sons gravados. Por vezes também há dançarinas que representam o conteúdo sexual das letras, voltadas às mulheres. Soma-se a isso o fato de grande parte do público pertencer ao sexo feminino. 
            Seria essa a receita de um fracasso musical, não fosse por esses homens no palco serem de energia e carisma inquestionáveis e a aparelhagem composta de sintetizadores, samplers e toca-discos, apoiados por pesadas caixas de som. 
            Dessa forma, o Funk Carioca atingiu um alto patamar de popularidade, ao conquistar pessoas de diversas faixas de idade e renda. Seu ritmo contagiante está presente tanto nas favelas quanto em boates de elite.
         Porém, antes de chegar a tal ponto, uma trajetória de mudanças e preconceitos foi construída.

 James Brown - Fonte: Divulgação
            
Tudo começou nos anos 60, nos Estados Unidos. O Funk foi criado a partir da Soul Music e foi consagrado por James Brown, que introduziu a característica dançante no gênero.



Na década seguinte, surgiram derivações do Funk americano, como o Miami Bass e o Freestyle, as quais influenciaram diretamente o Funk carioca dos anos 80, principalmente na batida. 
Aos poucos o Rio de Janeiro criou sua própria identidade funkeira, ao inserir o dia a dia da comunidade em suas letras, e assim conquistar o público. Por conta disso os bailes se proliferaram nas favelas.
 
Casa de show com Funk Carioca - Fonte: João Victor
Em meados dos anos 90, o gênero conquistou o país, muito por conta do programa Furacão 200 e por artistas como Claudinho e Buchecha, populares pela temática romântica de suas músicas. Temática esta que seria transformada em erótica no final da década e início dos anos 2000, década em que surgiram figuras como Mc Créu, Gaiola das Popozudas e Bonde do Tigrão.
Durante essa trajetória de ascensão, o Funk sofreu com o preconceito, devido ao seu caráter popular, simplicidade musical e, principalmente, pela conotação sexual de suas letras. Mas o que se pensa que é exclusividade do Brasil, que é essa sexualidade nas músicas, vem desde o início nos Estados Unidos, passando pelo Miami Bass e Freestyle.
            Os amantes do Funk parecem não se importar com o conteúdo por vezes ofensivos às mulheres. Os homens são atraídos pelas belas mulheres e animação dos bailes, enquanto o público feminino comparece aos shows em peso para curtir a batida contagiante do pancadão. E quando perguntadas sobre essa atitude paradoxal, respondem categoricamente: “estamos aqui para dançar”.

Por: Joao Victor e-mail: jv_jv_jv@hotmail.com

Artigos Relacionados

0 comentários:

Postar um comentário