31 de mai de 2010

Mulheres no vocal se destacam em apresentação no Raízes


 Postura e talento foi o que marcou a performance das vocalistas que se apresentaram no Woman Night, que realizou a 2ª edição na noite de ontem (29). O evento levou três bandas covers de grupos internacionais para o palco do Espaço Raízes. Foram mais de três horas de show com Loud and Clear (cover de Cranberries), Too Much (cover de Roxette) e Silverwing (cover de Arch Enemy).
O Woman Night II, “a noite das mulheres”, prestigia as bandas que têm mulheres no vocal e segundo o organizador e idealizador do evento, Marcélio Lima, a idéia central é mostrar a versatilidade feminina independente de estilo. “As mulheres conseguem se impor mesmo com o preconceito que ainda existe. As pessoas que compareceram ao evento mostraram respeito por cada banda e isso mostra que estão absorvendo a proposta”, disse Marcélio.
A primeira edição do evento aconteceu no início deste ano, também no Raízes, e a terceira já está programada para o segundo semestre de 2010, provavelmente no mês de agosto ou setembro. Sobre o fato de o evento ser somente de covers, Marcélio explica que há um problema em encontrar bandas com mulher no vocal que tenham músicas próprias e, por isso, o investimento em apresentações com covers, que são muito bem aceitos pelo público.


Mesmo os palcos tendo ainda predominância masculina, as meninas que fizeram os covers representaram muito bem as bandas que são consagradas pelo vocal feminino. De acordo com Camila Eustachio, vocalista da Loud and Clear, que abriu a noite, no estilo pop não há preconceito com as mulheres que cantam e, por ser uma amante da banda Cranberries, da qual faz cover há 10 anos, tem carta branca no grupo para opinar sobre tudo.
A segunda banda a se apresentar foi a Too Much que atraiu públicos diferenciados com o repertório do inesquecível Roxette, além de ter agitado os presentes com singles de Cindy Lauper e da atual Lady Gaga. Segundo a vocalista, Luana Campos, as mulheres que cantam têm um maior destaque em uma banda composta somente de homens e fazem com que outras mulheres de identifiquem com essa representação. Para o baixista da banda, Garem Vilarinho, geralmente as mulheres cantam melhor que os homens e mesmo havendo preconceito, principalmente no metal, as pessoas que escutam e participam de eventos como esse acabam gostando do vocal feminino.
Delicadamente agressiva foi a performance da vocalista Natália Melão, da banda Silverwing, que encerrou o evento. Fazendo o cover de Arch Enemy, Natália mostrou que mulheres podem cantar metal e revelou que ainda se sente envergonhada por participar de uma banda só de homens, mesmo cantando há muito tempo. “As mulheres estão ganhando um espaço cada vez maior na música e o Woman Night é uma oportunidade para mostrar que mulheres têm competência para qualquer estilo”, disse Natália.
 Galeria de fotos: 
 
De cima para baixo: Camila Eustachio, Luana Campos, banda Silverwing e Natália Melão -  

Artigos Relacionados

0 comentários:

Postar um comentário