7 de jun de 2010

THE resenha

Confira a resenha crítica do THE Music. Hoje: Validuaté.
Validuaté sempre foi uma banda original naturalmente, sem precisar usar recursos forçados e artificiais para tentar se diferenciar. Os garotos de União sabem a dosagem certa de poesia nas músicas, bem como utilizar o regionalismo de forma com a qual o público se identifique.
            O segundo álbum da banda, intitulado Alegria Girar, continuou com essa originalidade e firmou a banda numa posição de destaque no cenário musical piauiense. Lançado em julho do ano passado, a obra trouxe mais coerência entre as músicas que o primeiro, pois este soa como coletânea de sucessos aleatórios, enquanto Alegria Girar apresenta homogeneidade em suas canções, de maneira que elas se complementam para construir a identidade do disco.

            Pode-se dizer a que o álbum é essencialmente sobre amor, não no velho estilo piegas, mas com músicas anti-românticas ou românticas ao jeito irreverente de Validuaté. Como por exemplo, na odiosa Eu só quero acabar com você, cujo nome já reflete sua natureza. Ou no romance sado-masoquista cantado em Bruta como antigamente: “ah! O meu amor! Ela é cheia de artifícios: me pega, me morde, me sangra, é um suplício nossa transa na alcova que me faz tanto bem!”.
            No início do disco há a declamação de um belo trecho de poema de Ferreira Gullar, prelúdio para a música com cara de abertura de CD O Hermeto e o Gullar, uma das melhores das 13 faixas, abrilhantada pela participação especial de Lirinha, da banda Cordel do Fogo Encantado.
            Segue com a já citada Eu só quero acabar com você, sucesso antes mesmo do lançamento oficial, e depois com Plaina Maravalha, história de uma ninfomaníaca ao estilo da personagem de Maitê Proença na atual novela das oito. 

http://www.youtube.com/watch?v=1rma4lHeuns

            Vem, então, a baladinha A onda e uma introdução esquisita, mas legal, para Não quero te agredir, e esta traz a curiosa frase de um rapaz zangado com a namorada: “tome este vale e vá pra Timon. Só dê notícias do outro lado”.

http://www.youtube.com/watch?v=5vsBPpRKKY8

            A oitava faixa é a épica A lenda do peixe francês, com participação especial do dublador Isaac Bardavid. A música reflete a tendência poética da banda em uma letra surreal e envolvente, ao ponto de sentirmos as dores do peixe francês. 

            A próxima é a bela regravação de Eu preciso de você, de Márcio Greyck, incidentalizada por Sentimental, da banda Los Hermanos. O CD esfria com duas músicas chatas para preencher álbum: BirrasCortesia. e
            Bruta como antigamente reanima a obra com seu enredo engraçado ao estilo do convidado Zéu Brito. A música homônima ao disco fecha com chave de ouro este que é um dos maiores já lançados no Piauí, tanto por qualidade técnica de estúdio quanto por qualidade de composições.

            Alegria Girar peca algumas vezes pela falta de encaixe entre letra e música com relação à métrica, mas isso é facilmente esquecido por conta da qualidade das letras. Estas passeiam pela irreverência no limite de quem não quer ficar conhecido apenas como uma banda engraçada. E Validuaté realmente o é.
Mas não somente por isso deve ser destacada, já que o conjunto poesia/ irreverência/ regionalismo não pode ser dissociado, pois sua alegria e sofisticação é que nos fazem, ao final desse segundo álbum, pedirmos solenemente pelo terceiro.
 
Álbum:Alegria Girar

Artista: Validuaté

Ano: 2009

Selo: Bumba Records

Nota do Blog: 4 *
Texto: João Victor.
Imagens: Validuaté

Artigos Relacionados

0 comentários:

Postar um comentário